Televendas: 0800 704 3737 Horário de funcionamento Segunda a Sexta - 8h às 18h
Menu
  • TUTELA DE EVIDÊNCIA, TEORIA DA COGNIÇÃO E PROCESSUALIDADE DEMOCRÁTICA

TUTELA DE EVIDÊNCIA, TEORIA DA COGNIÇÃO E PROCESSUALIDADE DEMOCRÁTICA

ISBN: 978-85-450-0222-2


Páginas: 230


Ano: 2017


Formato: 14.5 x 21.5


Edição:


Área Específica:

Direito Civil e Processual Civil

Áreas Afins:

Área específica Direito Processual Civil. Teoria Geral do Processo. Áreas afins Direito Constitucional e Processo Constitucional. Público-alvo/consumidores Acadêmicos de Graduação e Pós-graduação; Pesquisadores; Advogados, Defensores Públicos, Magistrados e Promotores de Justiça.



Confira a ficha técnica completa desta publicação

Disponibilidade: Em estoque

  • R$76,00

Áreas Afins
Área específica Direito Processual Civil. Teoria Geral do Processo. Áreas afins Direito Constitucional e Processo Constitucional. Público-alvo/consumidores Acadêmicos de Graduação e Pós-graduação; Pesquisadores; Advogados, Defensores Públicos, Magistrados e Promotores de Justiça.
Sinopse

Com a entrada em vigor do Código de Processo Civil de 2015, o novel instituto da tutela de evidência, ora inserido em seu art. 311, está entre os temas que mais têm causado dúvidas e dificuldades aos operadores do direito, tanto por sustentar considerável carga enigmática em razão da ausência de qualquer esclarecimento em seu texto do que vem a ser evidente ou direito evidente, como pelo fato de tal instituto, embora topologicamente situado na quadra das tutelas provisórias, conforme art. 294, não dispor de qualquer regramento atinente à sua procedimentalização, ao contrário das tutelas de urgência disciplinadas nos arts. 300 a 310 do Código.

Considerando a relevância do tema, a sua repercussão na prática forense e a ausência de estudo aprofundado por parte dos processualistas, a presente obra busca oferecer elementos teóricos no sentido de identificar o marco epistemológico da tutela de evidência, analisar suas vertentes dogmáticas e hipóteses legais para, posteriormente, confrontá-la com a teoria da cognição na processualidade democrática. Temas como a desprocessualização e a desprocedimentalização, enquanto tendências ideológicas do instrumentalismo processual bem acentuadas pelo Código de 2015, são abordados com foco nas chamadas tutelas provisórias (urgência e evidência), submetendoas à testificação a partir da teoria neoinstitucionalista do processo, a qual propõe a articulação dos direitos de contraditório-vida, ampla defesa-liberdade e isonomia-dignidade como binômios estruturantes do discurso jurídico no Estado Democrático de Direito, noções estas que são elementares para compreender a atividade de conhecimento (cognitio) no procedimento processualizado, a ser articulada em fases lógicas (postulatória – instrutória – decisória) não passíveis de supressão pelo legislador (criação da norma) ou pelo magistrado (aplicação da norma). 

Informações Técnicas
ISBN: 978-85-450-0222-2
Páginas: 230
Ano: 2017
Formato: 14.5 x 21.5
Edição:

Confira a ficha técnica completa desta publicação

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.